Postado em 13 de Fevereiro de 2017 às

Queda do dólar 'espreme' frigoríficos exportadores.

CleanTec do Brasil A depreciação do dólar perante o real segue dificultando o desempenho dos frigoríficos exportadores neste início de 2017. Entre as principais proteínas exportadas pelo Brasil, somente...

A depreciação do dólar perante o real segue dificultando o desempenho dos frigoríficos exportadores neste início de 2017. Entre as principais proteínas exportadas pelo Brasil, somente a carne de frango conseguiu compensar, com preços mais altos em dólar, a valorização da moeda brasileira. Nos casos das carnes bovina e suína, ou o aumento foi insuficiente ou houve queda de preços na exportação.

Em janeiro, a cotação média do dólar comercial recuou 4,5%, para R$ 3,1969. Em fevereiro, a queda se aprofundou. Na sexta-feira, o dólar fechou a R$ 3,1097. No mês passado, o preço médio da carne de frango in natura exportada pelo Brasil aumentou 5,7% em relação a dezembro, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex/Mdic). Leia mais...

Veja também

Especialistas apontam solução para impacto das miopatias em carne de aves02/10/17 Embora aves vivas com miopatias não apresentem sinais clínicos aparentes, problemas de qualidade comuns da carne como peito amadeirado e estrias brancas são revelados durante o processamento, principalmente na desossa. Neste momento, a causa exata das mudanças no tecido ainda não está clara, e há poucas opções para ajudar os produtores de aves. A carne......
Aditivo alimentar melhora desempenho animal em sistema sem antibióticos.03/07/17 Com o objetivo de retirar antibióticos da produção animal mantendo o desempenho zootécnico, protegendo o bem-estar dos animais e a lucratividade do negócio, um estudo testou a eficácia do uso de aditivo alimentar para......

Voltar para Notícias